Home / Dicas para iniciantes / Investimentos pré fixados, pós fixados ou indexados? – Parte 2

Investimentos pré fixados, pós fixados ou indexados? – Parte 2

Pre fixado pos fixado ou indexado a inflacao parte 2 - qual escolher - Seu Guia de Investimentos

No artigo de hoje você vai aprender tudo sobre o que são e como funcionam os investimentos pré-fixados, pós-fixados e indexados! Esta é a segunda parte do artigo!

Mas antes, baixe o meu e-book “Guia 3 Passos Pra Investir Em Ações”, clicando aqui.

Investimentos indexados: o que são e como funcionam

Investimentos com rentabilidade indexada à algum índice tem sua rentabilidade dividida em duas partes: uma parte é pré-fixada, e outra é pós-fixada. Ou seja, uma parte é dada pela variação de algum índice, e outra é algum valor já fixo no dia da aplicação. Nesta categoria de investimentos encontramos as NTN-Bs e NTN-B Principal (que são indexadas pelo IPCA), as NTN-Cs (que pagam o IGP-M mais 6% ou 10% ao ano), alguns CDBs (veja alguns exemplos neste link) e algumas debêntures.

Quando o investimento indexado é vantajoso?

Investir em ativos indexados é quase como investir em ativos pré-fixados. Uma parte da rentabilidade você já sabe de antemão, que é o valor fixo oferecido logo no início do investimento, somado ao índice de referência.

Investimentos indexados geralmente são os que tem os prazos mais longos, como as NTN-Bs de vencimento em 35 anos. O investimento em ativos indexados é vantajoso quando você se encaixa em uma das seguintes condições:

  • Você está investindo para a sua aposentadoria, para pagar a faculdade dos filhos, ou algum outro objetivo de longo prazo;
  • Você não tem necessidade destes recursos nem no médio nem no curto prazo;
  • Você tem uma reserva de emergência e outros investimentos, e pode utilizar o recurso destinado aos investimento indexados sem necessidade de resgate antecipado.

 

3.3. Vantagens e desvantagens dos investimentos indexados

A grande vantagem dos investimentos indexados é que, na grande maioria dos casos, eles oferecem uma rentabilidade real acima da inflação. Isto quer dizer que estes tipos de investimentos estão protegidos contra oscilações negativas na economia. A desvantagem dos investimentos indexados é que, no caso de resgates antecipados, é possível que o investidor tenha prejuízos no investimento. Para este tipo de investimento com prazo longo, o recomendado é que sempre se carregue o mesmo até o vencimento e que só se invista nessa modalidade quando se tem certeza de que não haverá necessidade dos recursos até o vencimento.

Algumas reflexões para ajudar na escolha do melhor investimento para você

Pre fixado pos fixado ou indexado a inflacao - planejamento - qual escolher - Seu Guia de InvestimentosSe você ainda não se sente seguro sobre qual modalidade destes investimentos pode ser melhor para você, eu sugiro um passo a passo super simples para ajudá-lo:

  1. Determine o prazo do investimento que você vai fazer. Avalia se ele se enquadra em investimento de curto, médio ou longo prazo;
  2. Para fazer esta avaliação, se pergunte primeiro se você pode precisar deste dinheiro num prazo de até dois anos (por exemplo: realização de viagens, troca de carro, etc). Caso precise, você está limitado a investir no curto prazo e nessa situação os melhores investimentos são os pós-fixados;
  3. Se você não precisar do dinheiro no curto prazo, avalie se existe a possibilidade deixá-lo investido a um prazo superior a 10 anos. Se sim você poderá utilizá-lo para sua aposentadoria ou qualquer outro objetivo de longo prazo e nesta situação os melhores investimentos são os indexados;
  4. Avalie a economia. Para isso será preciso ler jornais e se adquirir um pouco de conhecimento, mas nada de outro mundo. Você acredita que os juros irão cair num horizonte de até 3 anos? Invista em pré-fixados. Acredita que os juros irão subir? Invista nos pós-fixados. Está inseguro com relação ao destino da inflação? Invista nos indexados.

Investir em renda fixa é muito simples, basta adquirir um pouco de conhecimento e tudo fica mais fácil! Lembre-se sempre de manter suas finanças pessoais organizadas, através do seu orçamento pessoal, e de manter sempre uma reserva de emergência que te permita investir tranquilo!

Se você ainda não leu a primeira parte deste artigo, você pode acessá-la neste link.

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos! Vamos ajudar a educação financeira atingir todos que estão à nossa volta! E deixe um comentário, pois essa troca é muito positiva!

Compartilhe este artigo também com seus amigos nas redes sociais:

Recomendo a leitura:

[magicactionbox]

Sobre Gisele

Sou apaixonada por finanças e investimentos. Essa paixão começou em 2004 quando comecei a investir em ações. Aqui no site tenho como objetivo ajudar meus leitores a entender como o mercado financeiro e a economia estão presentes no seu dia-a-dia e a melhorar sua capacidade de tomar boas decisões de investimentos para suas vidas. Eu invisto através da filosofia de investimento em valor e análise fundamentalista. Quero dividir um pouco do que aprendi com vocês e também, aprender sempre mais através dos seus comentários e suas dúvidas.

2 comentários

  1. Lazaro Silva

    Tenho uma aplicação(Previdência Privada – Tradicional) prefixada a juros de 6% aa + IGPM.
    Tenho observado no meu extrato que quando o IGPM é negativo, sou subtraído por valor igual à deflação do índice pactuado, no caso o IGPM. Isso tá correto? Não seria o caso do banco aplicar apenas os juros de 6% aa e zerar a correção pelo IGPM já que não houve positividade no mês?

    • OLá Lazaro!

      A taxa negativa realmente implica em perda de parte do capital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *