Home / Notícias / O resultado as eleições e seus investimentos – II

O resultado as eleições e seus investimentos – II

O Governo Dilma Rousseff e seus investimentos - Dilma Rousseff - Seu Guia de Investimentos

Neste artigo de três partes você vai ficar por dentro de um resumo sobre o atual cenário econômico brasileiro e as expectativas do mercado financeiro após a reeleição de Dilma Rousseff. Você também vai ver qual é a importância disso tudo para os seus investimentos e  vai ficar por dentro das melhores dicas de investimento para este período. Nesta segunda parte do artigo você ficará por dentro do crescimento do PIB  e dos números oficiais sobre a economia.

O GOVERNO ATUAL E O CRESCIMENTO DO PIB

O crescimento da economia e do PIB é importante pra quem investe. O crescimento e a estabilidade econômica ajudam as empresas a se desenvolver e a gerar empregos, o juros a se estabilizar, e assim você poder conseguir planejar os seus investimentos no longo prazo.

A taxa de crescimento do PIB no Brasil tem diminuído de forma pronunciada nos últimos quatro anos. O que isso tem de grave é que não há uma crise internacional influenciando a performance do Brasil, e soma-se a isso uma inflação persistente. Para saber mais sobre como a inflação é importante neste momento, veja o artigo anterior à esta parte.

Com o PIB caindo o que pode ocorrer é que aumente o desemprego, que atualmente não vai tão bem como parece. O que aponta a carta de conjuntura do IPEA é que o que vem ocorrendo não é a redução do desemprego, mas uma desistência por parte dos desempregados em procurar emprego (que é refletida pela “retração da população economicamente ativa” em buscar emprego, de 0,9%). O DIEESE (que não é um órgão oficial), aponta que o desemprego real deve estar na faixa dos 10%.

O quadro de baixo crescimento somado a alta da inflação precisa ser enfrentado por uma política econômica mais eficiente, e que coloque o Brasil de volta nos eixos do crescimento. Veja abaixo no gráfico elaborado pelo IPEA, como tem sido o crescimento do PIB desde os últimos 4 anos:

O Governo Dilma Rousseff e seus investimentos - taxa de crescimento do PIB - Seu Guia de Investimentos

Os impactos do baixo crescimento podem ser muito mais bem visualizados quando olhamos os componentes do PIB. Veja na imagem abaixo, divulgada pelo jornal Valor Econômico em 24/10/14, que quase todos os componentes do PIB reduziram no terceiro trimestre de 2014 quando comparados ao trimestre anterior, e também quando comparados à 2013. Veja também que o que mais cresceu neste período foi o gasto do Governo, que é um ponto de atenção que o investidor deve levar em conta:

O Governo Dilma Rousseff e seus investimentos - componentes do PIB - Seu Guia de Investimentos

O AUMENTO DOS GASTOS DO GOVERNO É SINAL DE ALERTA AOS INVESTIDORES

O aumento dos gastos públicos, sem contrapartida equivalente em investimentos em infraestrutura e educação, é sinal de alerta para todos investidores.

Esse aumento, dentro de um período de redução do crescimento da economia, é ainda mais grave, pois quando a economia reduz seu passo, o Governo arrecada menos impostos devido à menor produção.

O superávit primário, que é o que o Governo consegue economizar depois de pagar todas as suas contas, é o dinheiro destinado ao pagamento dos juros das dívidas assumidas com investidores internos e externos. A manutenção do superávit primário,  ou seja, as economias pra que fossem pagos os juros da dívida, era uma das metas do tripé macroeconômico, cujo objetivo é de contribuir para a estabilidade econômica.

Além da redução desse superávit, há também um aumento no déficit nominal (que é o que sobra do superávit primário depois do pagamento dos juros das dívidas. Como geralmente o resultado é negativo, ele é chamado de Déficit Nominal). O Governo tem ampliado a emissão de dívida (como por exemplo emissão de títulos do Tesouro Direto) e comprometido ainda mais as contas públicas.
Veja no gráfico abaixo os sinais de deterioração fiscal brasileira:

O Governo Dilma Rousseff e seus investimentos - crise fiscal - Seu Guia de Investimentos

E COMO O MERCADO ANALISA A SITUAÇÃO ECONÔMICA BRASILEIRA?

Eu separei um vídeo interessante que mostra como o mercado está encarando toda esta situação. Nele, o economista Eduardo Giannetti, em entrevista para a Editora Brasileira do Comércio, fala sobre a situação atual da economia Brasileira. É quase que um resumo de tudo que vimos até agora. O vídeo é de um pouco antes do resultado das eleições, mas o economista fala sobre o crescimento da economia e os ajustes necessários à política econômica de maneira muito atual. É um excelente vídeo que merece ser assistido na íntegra:

E O QUE DIZEM OS DADOS OFICIAIS SOBRE A ECONOMIA?

Pra que você veja que os pontos que estou apontando não são apenas a opinião de analistas do mercado ou economistas, quero dividir com você outro estudo, elaborado por um órgão governamental chamado IPEA. Esse estudo que é  publicado algumas vezes por ano, é chamado “Carta de Conjuntura”, onde são analisados os principais dados que falam da economia no Brasil. Você pode ler este estudo na íntegra neste link.

O QUE É E O QUE FAZ O IPEA?

O IPEA é um instituto governamental que realiza estudos sobre a situação econômica brasileira e sua conjuntura. IPEA significa “Instituto de Pesquisa Economica Aplicada”. Isso quer dizer que este estudo tem dados oficiais sobre a economia. Isso é importante pra que você veja que até os números oficiais apontam dificuldades. Estamos enfrentando uma crise que não tem nada a ver com “crise mundial”, e é preciso que você acompanhe isso de perto pra poder investir melhor o seu dinheiro.

A ECONOMIA BRASILEIRA DE ACORDO COM O IPEA

Os pontos importantes apontados pelo IPEA neste estudo são:

  • Taxa de desemprego: atualmente se vende a idéia de que a taxa de desemprego é baixa porque a maioria das pessoas está encontrando emprego. Mas o que ocorre, de acordo com o relatório do IPEA, é que a população está desistindo de procurar emprego, o que reduz a quantidade de “desempregados” em busca de recolocação.
  • Crescimento do PIB: estagnação econômica que não tem como causa um agente externo, como uma crise mundial, apagões energéticos ou flutuações bruscas em preços macroeconômicos. Isso quer dizer que o problema do crescimento econômico do Brasil tem causas internas, e não o contrário, como  ouvimos várias vezes nas campanhas eleitorais;
  • Desaceleração do consumo: desde o terceiro trimestre de 2013 o consumo das famílias vem reduzindo. Basicamente era o crescimento desse consumo que direcionava o crescimento do país. O consumo das famílias era estimulado principalmente pela expansão do crédito;
  • Juros: alta dos juros sem expectativa de redução no médio prazo;
  • Confiança da industria: queda da confiança dos empresários refletida pelos índices ICI e ICEI, o que se traduz em redução nos investimentos em produção e na geração de empregos;
  • Cenário mundial: piora dos termos de troca no comércio mundial resultando em perda de renda real para o país.
  • Parceiros do comércio mundial: redução no crescimento econômico de parceiros importantes no comércio internacional, como a China, principal importadora de minério de ferro do Brasil, que reduziu seu crescimento de 14% do PIB ao ano para os cerca de 7% anuais atuais.

Se você considerar estes dados oficiais apresentados pelo IPEA, a conclusão a qual podemos chegar é a de que não estamos no melhor dos momentos econômicos. Se não houverem mudanças na política econômico, podem haver consequências negativas para o crescimento do país, e também para os investidores, pois o atual cenário aponta para uma piora geral dos indicadores sem perspectiva de recuperação, o que dificulta qualquer tipo de planejamento no médio/longo prazo.

No próximo artigo vou falar sobre como tudo isso pode afetar os seus investimentos, e o que fazer para proteger seus dinheiro nesse período. Você pode acessar a terceira parte neste link.

Gostou deste artigo? Compartilhe com seus amigos! Vamos ajudar a educação financeira atingir todos que estão à nossa volta! E deixe um comentário, pois essa troca é muito positiva!

Compartilhe este artigo também com seus amigos nas redes sociais:


 

Recomendo a leitura:

[magicactionbox]

Sobre Gisele

Sou apaixonada por finanças e investimentos. Essa paixão começou em 2004 quando comecei a investir em ações. Aqui no site tenho como objetivo ajudar meus leitores a entender como o mercado financeiro e a economia estão presentes no seu dia-a-dia e a melhorar sua capacidade de tomar boas decisões de investimentos para suas vidas. Eu invisto através da filosofia de investimento em valor e análise fundamentalista. Quero dividir um pouco do que aprendi com vocês e também, aprender sempre mais através dos seus comentários e suas dúvidas.

2 comentários

  1. Misael da Silva

    Olá Gisele.
    Com a atual economia do governo que está sinalizando que não irá muda o seu jeito de governa a economia.
    Estamos frustados pois se não muda o seu jeito agora e fala que estávamos errado e muda ou futuramente o país será uma Argentina. ( sem dinheiro para paga dividas),e sem confiança no mercado mundial.
    Abraço muito obrigado.
    Deus te ilumine a cada dia.

    • Olá Misael, e obrigada pelo seu comentário e sua participação no site!
      Sim, você está certo, a esperança é a de que mudanças sejam feitas na política econômica pra que se retome o crescimento. Eu espero sinceramente que tudo melhore, que reconheçam o esgotamento do atual modelo de crescimento e sejam feitos os investimentos necessários pra que o país cresça. Até o momento não dá pra dizer se as mudanças serão feitas mesmo. Então só nos resta esperar. Mas assim como você, muitos investidores e empresários (exceto bancos) estão bastante decepcionados e frustrados. Vamos torcer pra tudo melhorar…
      Um abraço, e fique com Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *